Atenção professores! Cuidado escolas!

O importante papel da advocacia preventiva
24 de abril de 2018
Processo seletivo para admissão de estagiários
27 de setembro de 2018

Teacher leaning against black board

Teacher leaning against black board

Em recente decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho) a perda, ainda que parcial da voz, pode constituir moléstia profissional passível de indenização!

Essa notícia é uma vitória para a nossa categoria (porque também sou professor), e ao mesmo tempo um alerta para as escolas e explico: o instrumento de trabalho do professor é essencialmente a sua voz, e como qualquer trabalhador a empresa tem responsabilidade pela saúde e segurança de seu trabalhador.

Infelizmente a realidade de nosso país não é outra: escolas com turmas superlotas com 60 e às vezes até 100 alunos em se tratando de cursinhos ou turmas de terceirão, e a maioria das escolas não dispõe de um sistema de som com microfone, forçando obviamente o trabalhador a dar aulas “aos berros”.

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou o Colégio Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora, de Aracaju (SE), a indenizar uma ex-professora de artes em razão de lesão adquirida nas cordas vocais. A Turma entendeu configurados todos os elementos caracterizadores da existência de moléstia profissional e deferiu indenização de R$ 10 mil por danos morais.

Segundo a ação trabalhista movida pela professora, o fato de usar muito a voz contribuiu para o aparecimento de uma formação benigna decorrente de comportamento vocal alterado ou inadequado da voz, conhecido como disfonia crônica por pólipo. O laudo pericial anexado ao processo revelou que o uso excessivo da voz atuava como causa paralela (concausa) para o surgimento da enfermidade. (Processo: RR-4200-55.2009.5.20.0001)

Portanto, professores: se você passa por esse tipo de situação ou ainda pior, perdeu a voz ou adquiriu alguma doença benigna ou maligna nas cordas vocais, não deixe de reclamar com seu empregador melhorias nas condições da sala de aula, como por exemplo a instalação de sistemas de áudio ou a redução do número de alunos por turma.

E donos de escola: cuidado para não ser surpreendido com ações trabalhistas de natureza indenizatória em razão de moléstia profissional. Invista na segurança e saúde de seu empregado e não terá problema. Não pense somente no lucro. Saiba que melhorando as condições em sala de aula você estará melhorando a qualidade do ensino e por consequência um melhor rendimento da comunidade escolar.

Dr. Darlan Rodrigues PinhoAdvogado OAB-MA 7019

Fonte: www.mundoadvogados.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *